Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2007

A morte e a morte de Che Guevara

Primeiro, a revolução era dourada e se cantava que as flores venceriam o canhão. Depois, os tempos eram rebeldes e a viola passou a abrigar o fuzil. Logo vieram os meninos barulhentos e as mocinhas que amavam um mártir barbado. E então chegaram os canalhas adultos, essa espécie de gente que, por não ter mais condições de dar maus exemplos, se põe a distribuir bons conselhos. Esses adultos 'corruptores de ídolos' aplicaram o infalível método de destruir o sonho dos mais novos: “Raspem o cabelo deles! Tosem essas barbas incompletas!”, ordenavam, como aquela rainha degoladora de Alice no País das Maravilhas. Eram tempos em que a cabeleira crescia e não tinha partido, pois tanto Caetano quanto Roberto Carlos balouçavam suas melenas e caracóis nos festivais e bailes da vida. Porém, nem sempre o pêlo que descia da costeleta encontrava os tufos do cavanhaque que, por sua vez, nunca alcançavam a terra prometida do bigode e, assim, as costeletas ficavam ali, indecisas numa encruzilhada…

Que horas são, Luciano Huck?

Há momentos em que um homem deve correr atrás dos seus objetivos, se impor, manifestar sua presença, exigir o que pode ser seu, arrancar do destino, com o suor do seu rosto e pela força do ofício, uma oportunidade de converter em benefícios pessoais a matéria-prima que se lhe afigura nas avenidas do cotidiano.

Esse tal homem pode ser o Luciano Huck, empresário das jovens tardes nada sabáticas da Globo, pai de dois filhos, um que já nasceu e outro ainda na barriga da linda mamãe Angélica. Outro dia, Luciano foi assaltado no trânsito de São Paulo. Até aí nenhuma novidade, o trânsito paulistano é mesmo uma luta de boxe: a cada três minutos, um assalto. O problema começa quando um jornal publica a sua carta de cidadão “envergonhado de ser paulistano”. Nada de novo na seção de cartas. Qualquer estagiário de redação sabe que é mais fácil publicarem um artigo indignado do Luciano Huck do que de um anônimo, como este web-escriba que te atazana semanalmente, amigo leitor.

As respostas às “confis…

Meu reino por um Transformer

Os filmes viraram apenas um motivo pra se reunir os amigos e conversar, comer,...Filme? Que filme? No dia seguinte, quase ninguém se lembra do título do filme, que era com aquele, eh, que tinha aquela cena em que, eh, deixa pra lá, próximo fim de semana a gente aluga aquele que todo mundo já viu, qual?, aquele com aquela menina, eh,...

Porém, o problema não está apenas com aquele tipo de platéia que só consegue assistir a filmes com o mocinho e o vilão bem discerníveis, história bem linearzinha, e tiros, muitos tiros, ou piadas velhas, muitas piadas velhas e mal contadas, efeitos visuais espetaculares, muitos efeitos.

A outra ponta do problema são os filmes vendidos como se fossem o único tipo de cinema possível. São filmes que fazem questão de dizer que só um tipo de cinema existe: o cinema monoglota, aquele cujas balas e óculos escuros só falam inglês. Em filmes assim, uma cena dura pouco mais que alguns centésimos de segundo, outras cenas disputam para saber qual atinge os mais altos…

A esperança é uma bola na área aos 47' do 2º tempo

Uma das frases mais repetidas de todo o repetitivo repertório do futebol é: “o jogo só termina quando acaba”. Esse pleonasmo do mundo ludopédico serve para qualquer outro esporte, como o vôlei – lembra da derrota das meninas do Brasil para a Rússia, quando as brasileiras estavam 4 pontos à frente das russas e a um pontinho de ganhar a partida?; até a fábula da lebre e a tartaruga vive desse clichê – antes da internet ainda se contava a historinha da lebre e da tartaruga. Aliás, um amigo me contou que o filho dele de 12 anos leu minha fábula recontando a fábula de João e o pé de feijão, e perguntou com a maior cara de quem conheceu as fábulas através do Shrek: “Papai, o outro menino parece que é o Renan Calheiros, mas quem é esse ‘João do feijão’?”. Talvez nem tudo esteja perdido e isso seja apenas uma prova de que viramos arcaicos adultos.

Mas não me façam perder o fio da história que eu estava falando do jogo de quinta à noite entre River Plate e Botafogo, uma partida impressionante a…